Prevenção de incêndio

Prevenção de incêndio

domingo, 1 de abril de 2012

Sinalização de segurança contra incêndio e pânico

1. Objetivo

A sinalização de segurança contra incêndio e pânico tem como objetivo reduzir o risco de ocorrência de incêndio, alertando para os riscos existentes e garantindo que sejam adotadas medidas adequadas à situações de risco, que orientem as ações de combate e facilitem a localização dos equipamentos e das rotas de saída para abandono seguro da edificação em caso de incêndio.

A sinalização de segurança contra incêndio e pânico é prescrita na NBR 13.434/2004, Parte 1 e Parte 2 e NBR 3434/2005, Parte 3 da ABNT.

2. Classificação das Sinalizações

Divide-se em sinalização básica e complementar.

A) Sinalização Básica

A sinalização básica é constituída de quatro categorias, de acordo com a função:

a) Sinalização de Proibição: Cuja função é proibir ou coibir ações capazes de conduzir ao inicio de um incêndio ou o seu agravamento;



b) Sinalização de Alerta: Cuja função é alertar para áreas e materiais com potencial de risco;


c) Sinalização de Orientação e Salvamento: Cuja função é orientar rotas de saída e ações necessárias para o seu acesso;


d) Sinalização de Equipamentos de Combate e Alarme: Cuja função é indicar a localização e os tipos de equipamentos de combate a incêndio disponíveis.


B) Sinalização Complementar

A sinalização complementar é composta de faixas de cor ou mensagens, devendo ser empregadas nas seguintes situações:

a) Indicação continuada de rotas de saída;



b) Indicação de obstáculos e riscos de utilização de rotas de saída, como pilares e arestas de paredes, vigas e etc;




c) Mensagem escrita e específica que acompanha a sinalização básica, onde for necessária a complementação dada pelo símbolo.




3. Implantação das sinalizações

a) Devem ser instaladas em locais visíveis;
b) Devem ser instaladas a uma altura mínima de 1,80 m;
c) Devem ser distribuídas de forma a manter uma distancia máxima de 15 m entre si;
d) Devem ser instaladas de forma que a distancia máxima a percorrer até uma sinalização de saída não seja superior a 7,5 m;
e) Quando no ambiente houver obstáculos que dificultem ou impeçam a visualização direta da sinalização, está deverá ser repetida a uma altura suficiente para a sua visualização.
f) Quando um equipamento de combate a incêndio ou alarme for instalado em pilares, todas as faces visíveis deste devem ser sinalizadas.
g) A sinalização de indicação de rota de saída continuada deve ser instalada, guardando o espaçamento máximo de 3 m entre si e quando instaladas em paredes estas deve possuir altura entre 0,25 e 0,50 m do piso acabado.
h) Caso necessite utilizar outro idioma este não deve substituir o idioma original, mas ser incluído adicionalmente.
i) As sinalizações de portas de saídas de emergência devem ser instaladas imediatamente acima da porta, no máximo a 10 cm da verga da porta, ou na impossibilidade desta diretamente na folha da porta, centralizada a uma altura de 1,80 m.


4. Requisitos para sinalizações

As sinalizações devem atender aos requisitos previstos na NBR 13.434/2005, Parte 3, para serem aceitas, conforme a legislação em vigor. São requisitos a serem comprovados:

a) Propagação da chama;
b) Resistência a agentes químicos e a lavagem;
c) Resistência à água;
d) Resistência a detergentes;
e) Resistência à sabão;
f) Resistência a óleo comestível e gordura;
g) Resistência a névoa salina;
h) Resistência ao intemperismo;
i) Efeito fotoluminescente.

As placas de sinalização devem possuir em sua face visível o nome, logotipo ou CNPJ do fabricante, adicionalmente, os elementos de sinalização com características fotoluminescentes devem apresentar os seguintes dados:

a) Intensidade luminosa em milicandelas por metro quadrado, a 10 min e 60 min após a remoção de excitação da luz 22ºC +/- 3ºC (mínimo aceitável 140/20);
b) Tempo de atenuação, em minutos, a 22ºC +/- 3ºC (mínimo aceitável 1800);
c) Cor durante excitação (K = cor verde);
d) Cor da Fotoluminescência (W = branca).

Exemplo: (Logotipo ou CNPJ do fabricante - 140/20 - 1800 - K - W)

Para as sinalizações complementares de indicação continuada de rota de saída (próxima ao solo), devem apresentar os seguintes parâmetros técnicos mínimos (20/2,8 – 340 – K – W).

5. Representação em planta

As sinalizações devem ser representadas em plantas baixas de planos e projetos, conforme especificado no item 6.1.1 da NBR 13.434/2004, Parte 1, ou seja, através de uma circunferência dividida horizontalmente ao meio, sendo que na parte superior deve constar o código do símbolo, conforme item 5 da NBR 13.434/2004, Parte 2, e na parte inferior deve constar suas dimensões em milímetros, conforme Tabela 1 da mesma norma.


Símbolos para identificação de placas de sinalização em planta baixa



Dimensões pré-definidas para placas de sinalização (Tabela 1) e letras de placas (Tabela 2), conforme NBR 13.434/2004, Parte 2:


Tabela 1 – Dimensões pré-definidas para placas de sinalizações



















Tabela 2
Altura mínima das letras em placas de sinalização em função da distância de leitura



Para o cálculo das dimensões das placas e o tamanho da letra das sinalizações, deve-se observar a relação
 abaixo:

A) Dimensões de placas:


A > ____L²_____                      A, é a área da placa em metros quadrados.
2000                               L, é à distância do observador à placa, em metros.

Esta relação é valida para distancias mínimas de 4m e máximas de 50m



B) Dimensões de letras:


h > ___L___                                 h, é a altura da letra em metros.
           125                                    L, é à distância do observador à placa, em metros.



6. Dicas para uma compra correta

a) Certifique-se que a placa que você esta adquirindo atende todos os requisitos exigidos na NBR 13.434/2005, Parte 3. Para isso exija os laudos realizados em laboratórios acreditados ao INMETRO ou consulte o Corpo de Bombeiros local.

b) Não compre gato por lebre, preços muito baixos ou promoções a preços muito abaixo do mercado podem representar placas que não atendam os requisitos da NBR 13.434/2005, Parte 3.

c) O valor da placa está relacionado às dimensões da mesma, portanto, um bom projeto antes de adquirir as placas poderá trazer-lhe grande economia.


7. Fonte

NBR 13.434/2004, Parte 1 – Princípios de projeto;

NBR 13.434/2004, Parte 2 – Símbolos e suas formas, dimensões e cores;

NBR 13.434/2005, Parte 3 – Requisitos e métodos de ensaio;

Instrução Técnica nº. 20/2011 do Corpo de Bombeiros de São Paulo – Sinalização de Emergência.

Imagens - Instrução Técnica nº. 20/2011 do Corpo de Bombeiros de São Paulo – Sinalização de Emergência.


Observação: Esta publicação não substitui o previsto nas normas acima citadas.


3 comentários:

  1. Muito esclarecedora a tua postagem caro colega, continue cada vez mais, um perito nessa área, o Estado do Rio Grande do Sul, e aqueles que querem se adequar quanto as legislações vigentes agradecem. Forte abraço. 1º Sgt Santos - Corpo de bombeiros RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo obrigado pelo comentário. Um forte abraço.

      Excluir
  2. Luis Augusto. Muito obrigado pela postagem. Sou estudante de biossegurança e as informações aqui expostas foram de grande ajuda na elaboração de um projeto de reforma do campus em que estudo. Parabéns pelo trabalho esclarecedor. :D

    ResponderExcluir